handstalk, o conteúdo é acessivel com Vlibras!
Cidadão SP
  • /governosp
  • /governosp
  • /governosp
  • /governosp
  • /governosp
  • /governosp
  • /governosp
  • /governosp
[CURSO MIS ]

A história do cinema de horror – 4 módulos

INSCREVA-SE

A trajetória do horror nas telas, desde as primeiras experiências visuais de pioneiros do cinema, como os Irmãos Lumière e Georges Méliès, até os mestres contemporâneos, como Jordan Peele, Ari Aster e Robert Eggers, é a proposta deste panorama do gênero, que passa por todos os períodos em mais de um século de produção audiovisual ininterrupta. O curso é apresentado cronologicamente em quatro módulos independentes, contextualizando a produção de horror de cada período conforme o ambiente histórico e sociopolítico da época, demonstrando a capacidade do gênero em captar os temores, anseios e preocupações de cada geração e transformar em narrativas fantásticas que dialogam de maneira metafórica, simbólica ou explícita com estas questões.   

 Módulo I – Expressionismo alemão e o ciclo de monstros: 1920-1950   

As primeiras sombras do horror nas telas, a revolução estética do Expressionismo alemão e o ciclo de monstros clássicos do estúdio Universal (e outros). Morbidez e sexualidade reprimida no cinema de Val Lewton e as paranoias da era nuclear nos filmes de monstros gigantes.   

Aula 1 | As origens do horror nas telas: de Georges Méliès a Caligari, Nosferatu e outros monstros   

Aula 2 | Os monstros da Universal (e outros estúdios): Drácula, Frankenstein, múmia, lobisomem etc.   

Aula 3 | O medo chega à fase adulta: o horror sugerido de Val Lewton e seus monstros psicológicos   

Aula 4 | Horror adolescente e as feras atômicas: fenômenos dos drive-in e efeitos da era nuclear 

Módulo II – O surgimento do horror moderno e sua internacionalização: 1960-1970   

O ciclo de refilmagens a cores – com intensas doses de violência e erotismo – das produções inglesas da Hammer. A ruptura do horror clássico de Psicose e suas consequências imediatas. A internacionalização do gênero e as produções setentistas que apontam para o fim do mundo.   

Aula 1 | Os monstros da Hammer: horror inglês em vermelho vivo com Frankenstein, Drácula etc.   

Aula 2 | O horror moderno: “Psicose”, “A tortura do medo”, “Os inocentes”, “Baby Jane” e outros   

Aula 3 | O medo ao redor do mundo: Japão, Itália, Espanha, México, Argentina, Brasil etc.   

Aula 4 | Esperando o fim do mundo: “O bebê de Rosemary”, “A noite dos mortos-vivos", “O exorcista”   

Módulo III – A reinvenção do horror, da crueza ao pop e as superproduções: 1970-1990 

O horror como linguagem revolucionária nos primeiros passos da Nova Hollywood e em grandes produções americanas. O surgimento dos “maestros” do horror italiano e a consolidação do gênero como fenômeno pop nos anos oitenta e sua consagração popular na década seguinte.   

Aula 1 | A renovação do horror norte-americano: de Spielberg e De Palma a Cronenberg e Carpenter 

Aula 2 | Morrendo jovem: vampiros, zumbis, psicopatas e outros monstros “pop” oitentistas   

Aula 3 | O horror volta ao mainstream: “O silêncio dos inocentes”, “Drácula”, “Se7en” e outros   

Aula 4 | A retomada do medo: “Pânico” e o fenômeno do novo cinema de terror adolescente   

 Módulo IV — O horror contemporâneo: 2000-2010   

A ascensão do horror nas duas últimas décadas, impulsionado pela popularização dos filmes asiáticos de fantasmas e suas refilmagens ocidentais. O horror extremo no qual a morte não é mais a pior das ameaças, e o sangue novo dos atuais mestres de um gênero imortal.   

Aula 1 | Voltando do além: “O chamado”, “O grito”, “A herança” e outros fantasmas orientais   

Aula 2 | Pior do que a morte: o “torture porn” de “Jogos mortais” e o horror extremo francês   

Aula 3 | A superprodução de horror nos universos compartilhados: “Invocação do mal” e “Annabelle”.   

Aula 4 | Os novos mestres do horror: Ari Aster, Robert Eggers, Jordan Peele, Osgood Perkins etc.   

Galeria de Fotos